segunda-feira, 30 de junho de 2008

A força mais potente? A fé em Deus. – Madre Teresa de Calcutá

Nem sempre é fácil dizer com palavras o que nos vai cá dentro. E nem sempre é preciso fazê-lo…
No entanto, há vezes, em que abrir-nos desta forma tem o poder de aproximar. Neste contexto, deixo-vos as minhas palavras e com elas, o meu coração, que tem já um bocadinho de todos vós.
Em primeiro lugar, queria dizer-vos que era minha intenção ter partilhado tudo isto na última reunião e por isso, queria pedir desculpa a cada um por não o ter conseguido.
Quero que saibam que ouvi atentamente tudo o que foi dito, e que pensei muito. Foi uma reunião que me tocou muito por dentro, e senti muita coisa num curto espaço de tempo. Assimilei tudo, tudo. Não me esqueço das palavras e dos sorrisos que ouvi e vi. Foi um grande momento, agora guardado em mim.
Quero felicitar todos sem excepção. Vamos TODOS partir, de uma forma ou de outra. Aos que vão ter o prazer e a missão de pisar território moçambicano, os meus mais verdadeiros parabéns. Aproveitem, desfrutem, estejam, dêem tudo. Como diz a Madre Teresa - Não espere por líderes. Faça você mesmo, pessoa por pessoa. Fiquei mesmo feliz por cada um de vocês, e muito emocionada ao ver como reagiam quando o Miguel disse cada um dos nomes. Penso que consegui sentir-me um bocadinho como vós e isso deu-me imensa felicidade porque percebi, mesmo de verdade, que somos um grupo. Se não há dinheiro para todos, uns ficam e outros vão, logicamente. E não é justo que haja chatices, desentendimentos ou rancores à conta disso. É precisamente neste ponto que quero estar um bocadinho e transmitir-vos que nutro um carinho imenso pela nossa Equipa e pelo que já construímos juntos. É um feito que me faz sentir orgulhosa permanentemente, porque acredito seriamente no nosso projecto, em cada um de nós e em todos como um só.
Aproveito aqui para dizer que no Arraial Faz-Trás-Paz, me deram os parabéns pela força de equipa e me foi transmitida uma enorme admiração por tudo o que já conseguimos. Isto para reforçar que TAMOS mesmo JUNTOS e que isso é reconhecido à nossa volta.
Assim, queria pedir ao primeiro grupo que foi anunciado e do qual faço parte, que se deixem tocar, se abram e acolham este projecto com gratidão e de boa vontade. Que não o recusem em nome de um sonho em África, porque vai chegar a nossa vez. O estarmos juntos, vê-se aqui, ao pensar como um grupo e para o grupo.
Fiquem com o meu mais sincero e humilde MUITO OBRIGADO, do fundo do coração.

Teresa Costa

Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba.
Não ame por admiração, pois um dia pode decepcionar-se...
Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação.
Não precisamos de realizar grandes obras a fim de mostrarmos um grande amor por Deus e pelo próximo.
É a intensidade do amor que colocamos nos nossos gestos que os torna algo especial para Deus e para os homens.
Sei que o meu trabalho é uma gota no oceano.
Mas sem ele, o oceano seria menor.
Todas as nossas palavras serão inúteis se não brotarem do fundo do coração.
As palavras que não dão luz aumentam a escuridão.
Um coração feliz é o resultado inevitável de um coração ardente de amor.
Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.
O que eu faço é simples: ponho pão nas mesas e compartilho-o.
O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.
Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.
A falta de amor é a maior de todas as pobrezas.
O dever é uma coisa muito pessoal; decorre da necessidade de se entrar em acção, e não da necessidade de insistir com os outros para que façam qualquer coisa.
Faz com que em lugar de pena te respeitem.
Não vivas de fotografias amareladas.
Não podemos fazer grandes coisas na Terra. Tudo o que podemos fazer são pequenas coisas com muito amor.
Para manter uma lamparina ardendo, há que colocar óleo nela.
Quando descanso? Descanso no amor. O amor é a fruta da época de todas as estações e está ao alcance de cada mão. Qualquer um pode colhê-lo, sem limites estabelecidos.
Tem sempre presente que a pele se enruga, que o cabelo se torna branco, que os dias se convertem em anos, mas o mais importante não muda! A TUA força interior e as tuas convicções não têm idade.
A todos os que sofrem e estão sós, dai sempre um sorriso de alegria. Não lhes proporciones apenas os vossos cuidados, mas também o vosso coração.
Atrás de cada linha de chegada há uma de partida.
Atrás de cada triunfo há outro desafio.
Enquanto estiveres vivo sente-te vivo.
Temos de ir à procura das pessoas, porque podem ter fome de pão ou de amizade. O teu espírito é o espanador de qualquer teia de aranha.
Se sentes saudades do que fazias torna a fazê-lo. Continua apesar de todos esperarem que abandones: não deixes que se enferruje o ferro que há em ti.
Não devemos permitir que alguém saia de nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.
As palavras de amizade e conforto podem ser curtas e sucintas, mas o seu eco é infindável.
Um coração feliz é o resultado inevitável de um coração ardente de amor.
Quando pelos anos não consigas correr... trota.
Quando não possas trotar... caminha.
Quando não possas caminhar... usa bengala.
Mas nunca te detenhas

Madre Teresa de Calcutá

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Partilha Telhal...

A Casa de Saúde do Telhal tem para mim um valor muito especial uma vez que um familiar próximo era para ter sido internado nesta instituição. Tal não chegou a ser necessário mas a situação fez com que visitasse esta casa com algum receio relativo ao que poderia encontrar. Questionava-me se conseguiria lidar com os residentes como pessoas e não olhar demasiado às doenças que reconhecia, perguntava-me se seria capaz de responder à ajuda que me fosse pedida a nível, por exemplo, dos doentes mais dependentes. No fundo acho que não sabia se ia conseguir cumprir a minha missão e como me ia sentir enquanto o fazia…

Chegados ao Telhal visitámos algumas das diferentes alas e fomos divididos pelas mesmas, em grupos de três ou quatro pessoas para, com os residentes, vivermos um fim-de-semana diferente. Na ala em que fiquei, com mais dois voluntários da Equipa, além de ajudar nas refeições e actividades previstas pelos enfermeiros, tentámos estar com cada um dos residentes da forma que julgámos mais apropriada, com alguns conversámos, com outros cantámos, dançámos e com alguns simplesmente estivemos. No fim da tarde de sábado houve a possibilidade de ir passear com alguns dos residentes e no domingo tínhamos como missão acompanha-los à missa, função que fiquei contente em desempenhar e que gostaria de repetir mais vezes porque quanto mais voluntários estiverem disponíveis para o fazer mais residentes é possível acompanhar.

Agora, que já passei pela experiência, defino-a como muito forte e, apesar de todas as práticas mais complicadas que implicou, muito gratificante. Sinto que fomos muito bem recebidos, tanto pelos funcionários, que nos deram uma grande ajuda, como pelos residentes que, aquando da nossa saída, nos perguntaram quando voltaríamos. Este facto faz-me ver que a missão foi cumprida, que conseguimos estar e dar um bocadinho de nós a cada uma das pessoas com quem estivemos.

Lembro-me que quando, à hora da refeição, cheguei à ala onde fui colocada, congelei, sem saber para onde me havia de virar. Aos poucos fui vendo como tudo funcionava e, sempre que não sabia o que fazer, era nos manos da Equipa d’África que ia buscar um exemplo. Vi um pedacinho de Deus em cada um deles e nas restantes pessoas que me rodeavam e foi isso que me fez ter força para continuar e chegar ao fim a sentir-me em casa.

Reparo agora que, quando cheguei, a minha intenção era dar-me a quem de mim precisasse mas entretanto sinto que mais foi o que recebi. Trago da Casa de Saúde do Telhal uma das melhores sensações que poderia imaginar sentir, que não só consegui ultrapassar os meus receios e corresponder ao que me era pedido como que, daqui para a frente, tenho a certeza da capacidade de me continuar a dar. Estive entre pessoas extraordinárias que me marcaram de uma maneira muito especial e gostava de ter a possibilidade, tempo e disponibilidade de continuar a vir a esta Casa que tão bem nos acolheu.
Marta Barros

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Passeio com o 6M

O passeio de final do ano do Grupo da Alfabetização de adultos será no próximo dia 29 de Junho (Domingo), pela zona de Óbidos e Nazaré.

O almoço será partilhado, pelo que devem levar algo para partilhar.

Todos os que puderem ir será muito bom, pois é um momento de convívio, diferente do que se vive no dia a dia com o grupo da Alfabetização.

Guilherme

Centro Pedro Arrupe

Maltinha sábado às 15h passeio com o C.P.A. a Belém, aos Jerónimos e passear um pouco por ali! Se saissem uns pasteis de belém era porreiro! ;) Vamos ver!
Quem pode?

segunda-feira, 16 de junho de 2008

FESTA DA COMUNA



E a 2ª festa vai ser logo no dia a seguir, sábado dia 21 de Junho, e vai ser no Teatro da Comuna.


O preço é de 5 euros para quem pagar até 3ª e 7 euros no próprio dia, quem quiser ir que mande mail!


Vai ser grande oportunidade para o convívio dos manos da EA, para quem quiser conhecer a EA, enfim, para TODOS!


Vamos ver quem vai ser a Rainha da Noite e o Bailarino do Ano, apostas?


Apareçam!


TAMOS JUNTOS

ARRAIAL FAZ TRAZ PAZ


Malta a EA vai estar em 2 frentes este fim de semana e contamos com todos para aparecerem, beberem 1 copo, comerem 1 bifana, dançarem um pouco, enfim, queremos é convívio!

Então a 1ª festa é o ARRAIAL FAZ TRAZ PAZ e é já 6ª feira, dia 20 de Junho ás 20:00 no largo do Carmo em Lisboa.
Este arraial é organizado pelos vários grupos de voluntariado de Lisboa e é uma boa oportunidade para conhecermos como são os outros grupos, como funcionam, criar novas amizades!


Contamos contigo!!!

TAMOS JUNTOS