sexta-feira, 7 de março de 2008

Partilhando

"Esta, é apenas a transcrição para o papel, de uma das mais de 50 experiências vividas naquele fim-de-semana no bairro 6 de Maio. Cada um dos elementos presentes na Equipa d’África 2008 viveu e consequentemente integrou em si, esta realidade de forma diferente, mas todos tendemos a ser veículos da palavra “Estar” em todas as suas amplas dimensões.

Não será ao acaso que, em diversas outras línguas, o verbo Estar é conjugado com o verbo Ser, estabelecendo uma relação íntima entre Ser e Estar. De facto, “ser” é “estar” e nós só “estamos” quando realmente “somos”. “Estar” no bairro 6 de Maio, foi então uma possibilidade de experienciar uma outra realidade, de adquirir percepção sobre um mundo negligenciado e carregado, forte e negativamente, pelo cidadão comum…

“Estar” foi desenvolver um sábado de actividades para crianças aqui residentes, e delas receber o seu sorriso, sentir o seu sangue cheio de ritmo em cada dança ou simples toque num djambé… Crianças crescidas em que, alguns de nós, confiaram a sua visita às famílias, crianças que saltavam e corriam com aquele característica agilidade, entre poças, caminhos estreitos e sinuosos, dentro do 6 de Maio.

O bairro pareceu-me frio, cinzento, envolto num ambiente pesado, construído de sonhos à muitos anos destruídos, perdidos em entulho ou nas chapas que moldam os telhados, nas paredes húmidas e frias, nos ínfimos espaços, no olhar triste de quem deixou a Ilha do Fogo por uma vida melhor…

No entanto, detrás desta nuvem, esconde-se humildade, existem pessoas que não hesitam em abrir a sua porta… E, no meio do escuro de uma casa sem janelas, soltam-se músicas africanas de uma aparelhagem, oferecem-se bolos e bebidas, dão-se sorrisos e fazem-se pedidos para que voltemos!

“Estar” no bairro 6 de Maio foi aprender, sentir a força e dedicação de vidas difíceis, foi saborear a humildade e riqueza destas famílias.

Estar no bairro 6 de Maio foi ser… Sermos Pessoas!"

Equipa d’África 2008, Manuel Alves

3 comentários:

Miss Congo disse...

Manuel, sem comentários!!!
Esta partilha está absolutamente fantástica, não transcrevesse ela uma realidade que todos vivemos e que agora revivemos lendo as tuas palavras...

Obrigada por teres "estado"!

Sofia*

Ana Rita disse...

Senti tanto do campo nestas palavras... ;)
Obrigada pela partilha!
1*

Sónia Nobre disse...

É certo que as tuas palavras nos encaminham directamente para lá... para aquela realidade tão crua e de certo modo desconhecida!
Também só te tenho a agradecer pela partilha e pelo sorriso sentido que as tuas palavras despertaram em mim!
beijo!
Sónia